Blog da

Dialética





Jessie Correa lança seu primeiro livro “Bate-volta: as coisas do passado sempre vêm à tona”

13/08/2021

Nascida em São Leopoldo/RS, Jessie Correa é formada em Publicidade e Propaganda pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), pós-graduada em Escrita Criativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), possui diversos certificados nas áreas de linguística e comunicação social, entre eles o curso Gramática para preparadores e revisores de texto, da UNESP - Unilivro. 

Apaixonada por literatura desde criança, a autora é fã dos escritores da “Geração Perdida” Ernest Hemingway e F. Scott Fitzgerald, além de ter na saga “O Tempo e o Vento”, do gaúcho Erico Verissimo, sua leitura favorita. Apesar da forte admiração pelos clássicos, foi nas comédias românticas contemporâneas que Jessie encontrou seu estilo de escrita, inspirada por grandes nomes femininos do gênero, como Marian Keyes, Sophie Kinsella e Jojo Moyes. Casada e sem filhos, Jessie vive em sua cidade natal com seus dois amores: o marido Luiz (Didio) e sua estante de livros Tiffany Blue.

Seu livro, “Bate-volta”, narra a história da personagem principal Paloma que, aos 28 anos, tem tudo o que planejou para a sua vida: uma carreira de sucesso, bagagem cultural, sexo com homens lindos, um melhor amigo mais lindo ainda e o sonhado corpo perfeito. Mas, após uma inesperada reviravolta, Paloma acaba tendo que voltar à sua antiga cidade, morar em sua velha casa e relembra de um passado marcante e nada agradável. E em meio a tantas mudanças, reencontra um amor do passado e tudo isso muda o curso de sua história para sempre.

Em entrevista, Jessie traz mais alguns detalhes sobre essa história e como foi o seu processo de escrita e experiência na publicação de seu primeiro livro:

 

Qual é a sensação de ter o seu primeiro livro publicado?

Jessie Correa: Acredito que seja um misto de sensações: alegria, orgulho, satisfação e dever cumprido. Um sonho realizado com muito estudo, amor e dedicação.

 

Como começou a escrever? Por quanto tempo você tem escrito?

Jessie Correa: Eu sempre li muito, fui alfabetizada antes mesmo de entrar na escola. E foi através da paixão pela leitura que desenvolvi tanto a vontade de escrever como a habilidade da escrita. Nos tempos do colégio, eu era a "menina que está sempre na biblioteca, é boa em português e redação" e, com o tempo, fui aprimorando cada vez mais essa aptidão.

Já na faculdade, as disciplinas que envolviam português ou redação sempre foram as minhas favoritas e, na minha especialização, optei pelo curso de Escrita Criativa para aprender as principais técnicas da escrita.

Juntando a aprendizagem acadêmica com o fato de ser uma leitora assídua, começar a escrever foi uma consequência, mas demorou muito. Apesar de ter alguns contos prontos desde a época da minha especialização em 2017, o meu sonho de me tornar uma escritora de romances só começou a ser concretizado no fim do ano passado, durante o recesso de fim de ano da empresa que eu trabalhava como Analista de Marketing Pleno. Com a pandemia, eu e meu marido optamos por não viajar naquele período e, com isso, aquele sonho adormecido começou a se tornar realidade.

Seguindo a famosa frase do “Papa” Hemingway “tudo o que você precisa fazer é se sentar em frente de sua máquina de escrever e sangrar”, eu simplesmente sentei em frente à minha máquina de escrever do século XXI (também conhecida como notebook) e sangrei. Sangrei com muito amor, criatividade e dedicação. Em abril deste ano, “Bate-volta”, meu primeiro romance, já estava pronto.

 

Qual a parte mais fácil da escrita para você e qual o maior desafio?

Jessie Correa: Acho muito mais fácil me expressar através da escrita do que da fala, e procuro usar essa minha habilidade na construção dos diálogos entre os personagens, deixando-os verossímeis e de simples compreensão.

A parte mais difícil, pelo menos para mim, é sempre o começo, entender qual a melhor forma de iniciar o livro foi o meu maior desafio.

 

Quais são os seus hábitos de escrita? Tem alguma dica para quem deseja começar a escrever?

Jessie Correa: Sou uma escritora matinal, gosto de aliar o café da manhã com a minha produção do dia, pois me parece que as ideias estão mais frescas na memória - e no meu caso estão mesmo, afinal eu sonho com muitas delas! Não me encaixo no perfil de escritores que viram a noite escrevendo. Não há certo ou errado, mas para mim funciona melhor dessa forma. 

A dica para os iniciantes é ler muito, estudar bastante até entender em qual gênero literário você melhor se encaixa e quer se encaixar. Ter boas referências literárias também é fundamental para definir o tipo de escritor/a que você será - isso não significa copiar o estilo de outra pessoa, mas conseguir absorver e aprender as técnicas que os/as grandes mestres têm a ensinar.

 

Conte-nos a respeito da sua história, como surgiu a ideia para o livro “Bate-Volta”?

Jessie Correa: Eu já tinha uma trama em mente, na verdade quase toda ela, porque havia sonhado (sonhado mesmo, dormindo!) com essa história de amor nos mínimos detalhes: o cenário, os protagonistas, tudo. Bastou incrementar esse sonho com alguns personagens coadjuvantes, uma pitada de humor e até uma trilha sonora e... voilà: lá estava “Bate-volta”, pronto para ser escrito.

 

Quais foram as inspirações para o livro “Bate-Volta”?

Jessie Correa: Como se tratou de um sonho, acredito que tenha sido um misto de muita coisa do gênero que eu li e assisti até o momento: as comédias românticas de escritoras como Marian Keyes e Sophie Kinsella, os romances um pouco mais dramáticos da Jojo Moyes, sucessos do cinema como “Uma Linda Mulher” e até mesmo referências mais folhetinescas da teledramaturgia brasileira, afinal a telenovela foi o tema central do meu Trabalho de Conclusão de Curso na faculdade e já estudei muito sobre as obras de autoras como Glória Perez, Janete Clair e Ivani Ribeiro.

Em matéria de estilo para a construção dos meus diálogos, tenho como forte referência o jeito simples e conciso de Ernest Hemingway, o grande pai da escrita criativa.

Para a escolha e descrição dos cenários, procuro valorizar locais que eu amo visitar no meu estado (Rio Grande do Sul), bem como fazia Erico Verissimo, outro autor que está na minha lista de "grandes mestres da literatura".

 

Quais as suas expectativas para o livro? Podemos esperar uma continuação?

Jessie Correa: Para quem gosta de comédias românticas, “Bate-volta” é a escolha perfeita, com humor, drama, sensualidade e personagens "gente como a gente", fáceis de identificar em nosso dia a dia.

Sobre o livro II, sim, já estou escrevendo. Está no início, mas vai sair. Aguardem…

 

Como foi a sua experiência de publicação com a Editora Dialética?

Jessie Correa: A Dialética é minha primeira casa editorial. Assim que terminei “Bate-Volta”, enviei a algumas editoras, recebi algumas propostas, mas a da Dialética foi a que melhor atendeu às minhas necessidades. Tenho um agradecimento especial a fazer a Kariny Martins, minha incansável produtora, que atendeu e entendeu todos os meus anseios nessa primeira publicação. Obrigada!

 

O livro “Bate-Volta” já está disponível na nossa loja virtual. Clique aqui e confira!

 

Por Ana Souza


Compartilhe esse post:

Siga nossas redes sociais:


redes


Faria Lima Corporate, Avenida Brigadeiro Faria Lima, 4509 - 8º andar - Itaim Bibi, São Paulo - SP.
Telefone: (11) 4118-6308